Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

Polícia Civil confirma que atirador não era convidado de festa com temática petista

Homem teria invadido espaço tocando música do Bolsonaro no carro. Houve uma discussão e o Guarda Municipal arremessou pedregulhos contra o carro.

  • 10/07/2022
  • Foto(s): Rádio Cultura Foz
  • Policial
Polícia Civil confirma que atirador não era convidado de festa com temática petista

A delegada da Polícia Civil, Dra. Iane Cardoso confirmou na tarde deste domingo, 10, que o homem acusado de matar o Guarda Municipal Marcelo Arruda invadiu o espaço onde ocorria a festa, ou seja, ele não era convidado do aniversariante. A polícia também confirmou que o atirador não morreu, conforme informado anteriormente. Ele está estável e internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O atirador foi autuado em flagrante e permanece sobre custódia da Polícia Militar enquanto recebe atendimento médico.

De acordo com a delegada, o homem teria invadido o local onde ocorria a festa, com temática do Partido dos Trabalhadores, na Aresfi, tocando uma música de campanha do Presidente Bolsonaro. Houve uma discussão e o pedido para que ele se retirasse. O homem estaria acompanhado da esposa e uma criança. Na discussão, Arruda teria arremessado pedregulhos contra o veículo do atirador. Na sequência, o homem, que é agente penal federal, saiu do local, mas disse, segundo testemunhos, “que voltava para matar todo mundo”. No retorno houve o confronto com a morte de Marcelo Arruda.

Segundo a delegada, ainda não é possível confirmar que a troca de tiros tenha ocorrido por motivação política, embora muitas testemunhas afirmem que a briga iniciou após o homem gritar “aqui é Bolsonaro”. “Nós não conseguimos afirmar agora como foi a motivação, então nós preferimos investigar, ouvir testemunhas, para que no final a gente informe realmente qual foi a motivação do crime, o que teria ocorrido naquele momento, o que foi que levou ele a ir até aquele local, porque estava ouvindo a música que remetia a Bolsonaro, nós temos que investigar tudo” disse ela.

A delegada salientou que também não foi confirmado até o momento se ambos já se conheciam anteriormente a desavença. Porém, salienta que a princípio há uma possibilidade, já que a esposa do atirador teria informado que ele é diretor do espaço onde acontecia a festa. “A priori deu a entender que eles se conheciam, mas a princípio não há histórico de que tenha ocorrido alguma divergência anterior” pontuou.

Fonte: Rádio Cultura Foz

Mais lidas relacionadas deste mês

Envie sua Notícia, vídeo, foto
(45)99827-8200

Colunistas

Cidades relacionadas

Categorias relacionadas