Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

Interdição de pedreira inflaciona custo para obras públicas e privadas em Foz

Maior preocupação é com aumento de custos das grandes obras de infraestrutura, como a Perimetral Leste e a duplicação da Rodovia das Cataratas. Aumento de preços poderá ultrapassar R$ 10 milhões

  • 14/09/2021
  • Foto(s): Ronildo Pimentel
  • Região
Interdição de pedreira inflaciona custo para obras públicas e privadas em Foz

A interdição da Pedreira Britafoz, motivada por decisão judicial, há dois anos, já provocou aumento de 40% nos custos de fornecimento de pedra brita e demais insumos, além de inflacionar o custo de obras públicas e privadas em Foz do Iguaçu. A Pedreira era responsável pelo abastecimento de 60% do mercado local, com uma produção mensal de 34 mil toneladas de pedra brita e outros materiais, como massa asfáltica.

A escassez do produto ameaça impactar a construção de grandes obras de infraestrutura, como a Perimetral Leste, a duplicação da BR 469 (Rodovia das Cataratas) e o acesso independente ao Parque Tecnológico Itaipu – PTI, dentre outras. Estima-se um custo adicional de aproximadamente R$ 10 milhões, apenas nessas obras, orçadas em mais de R$ 300 milhões. As obras são bancadas com recursos da Itaipu Binacional.

Com a interdição da Britafoz, desde setembro de 2019, a alternativa tem sido buscar os insumos em Santa Terezinha e outras cidades da região, o que encarece o preço do transporte e onera os custos de construção. A outra pedreira existente na cidade, fica localizada em área no Remanso Grande, mas não tem capacidade para a demanda das obras na cidade.

Na última semana, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, indeferiu o pedido da Britafoz e manteve a decisão que interditou a sua atividade de extração de pedras. Segundo o ministro, a empresa não comprovou a alegação de que a interdição ofenderia a ordem e a economia públicas. A empresa vai recorrer da decisão.

Licenças em dia

“A empresa declara que sempre atuou dentro da legalidade. Possui todas as licenças concedidas pelos órgãos responsáveis, inclusive com a liberação e o acompanhamento do Exército Brasileiro para uso de explosivos. E confia na Justiça, na reconsideração do pedido de liminar. Oportunamente, a empresa trará aos autos outros elementos que comprovem a grave lesão à ordem e à economia pública”, afirma o advogado Carlos Alberto Zbiersky.

Instados a se manifestar sobre o processo, a Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, bem como a Agência Nacional de Mineração (ANM), o Instituto Água e Terra do Paraná (IAT), o Ibama e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), alegaram não haver nenhuma ilegalidade e que, portanto, não têm interesse jurídico no caso.

A diretora da Britafoz, Adriana Colombelli, explica que, embora a empresa tenha sido fundada em 2001, a extração de pedras no Porto Belo já funciona desde a década de 70. Ela disse que emprega 60 pessoas e vem arcando com prejuízos mensais de R$ 500 mil desde a interdição judicial.


“Estão nos afundando sem termos feito nada de errado ou ilegal”, reclama. A denúncia inicial, segundo ela, teria sido feita por um morador do condomínio residencial Porto Seguro, que alegou ao Ministério Público Estadual que a sua casa apresentava rachaduras, o que não foi comprovado pela perícia técnica.

Obras mais caras

O engenheiro Charlles Urbano Hostins Júnior, superintendente da Regional Oeste do DER/PR, órgão responsável pela execução da Perimetral Leste e da Rodovia das Cataratas, alerta que o aumento de custo da pedra brita, rachão e outros insumos, certamente gerará pedidos de reequilíbrio financeiro por parte das empresas contratadas.

“Caso se comprove a não existência do material onde estava previsto no projeto, naturalmente, a empresa ganhadora do certame licitatório irá reivindicar o aumento na distância de transporte, gerando, assim, um aumento no valor da obra”, afirma. Ao contrário das obras da Ponte da Integração Brasil – Paraguai, a Perimetral e a BR-469 vão exigir bastante pedras para a sua execução.

Novos reajustes e escassez

Vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná Oeste (Sinduscon), o empresário Renato Pena Camargo diz que, nos últimos 12 meses, o aumento de preços das pedras britas na região Oeste foi de 25%, devido a interdição da Britafoz.

Renato Camargo estima que, além do aumento de preço, poderá faltar produto em Foz do Iguaçu com o início das grandes obras de infraestrutura. “Nas obras viárias, as pedras, em várias granulometrias, têm uma grande incidência, diferente das edificações da construção civil, que utilizam mais agregado de concreto. É certo que a falta de produção dessa importante pedreira impactará no fornecimento desses insumos essenciais para a indústria da construção civil”, afirma.

Entenda o caso

– Pedreira existe desde a década de 1970 (mais de 40 anos)

– Britafoz assumiu a atitidade da extração em 2001

– Em março de 2009, um morador do condomínio Porto Seguro fez uma denúncia ao Ministério Público do Estado do Paraná, que a casa de sua propriedade, apresentava rachaduras.

– O suposto problema foi descartado na perícia. Como envolveria licença da Agência Nacional de Mineração, caso foi remetido ao MPF de Foz do Iguaçu.

– Empresa mantém um acompanhamento sismográfico, conforme normas da ABNT (que gera uma avaliação dos impactos provocados pelas explosões).

– Após envio de documento para arquivamento do processo pelo MPF de Foz, Brasília pede nova diligência no processo.

– O juiz local decidiu pela primeira interdição em 19/09/2019, atendendo uma ação civil pública apresentada, em 16/04/2019, por um procurador do MPF de Cascavel.

– Em 19/12/2019, a empresa recebeu a liberação da atividade pelo TRF-4 com a suspensão da liminar, pelo Desembargador Relator do processo.

– Em 12/08/2020, os três Desembargadores, incluindo o relator, que votou contrário ao seu parecer, decidiram negar o pedido.

– A empresa pediu ao Juiz de Foz do Iguaçu a liberação para a britagem, sem extração com uso de explosivos, que foi concedida em 02/12/2020.

– Em 04/12/2020, a empresa pediu para que o processo fosse submetido ao STJ, por se tratar de decisão em primeira instância.

– A notícia da interdição foi veiculada dia 06/09/2021.

Fonte: Costa Oeste News/Assessoria

Autor do post