Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

São Miguel do Iguaçu: ACISMI se diz contra novo lockdown

O setor produtivo precisa continuar em funcionamento, contribuindo para a nossa sociedade com a responsabilidade e seriedade de sempre.

  • 27/02/2021
  • Foto(s): Costa Oeste News
  • Região
São Miguel do Iguaçu: ACISMI se diz contra novo lockdown

A ACISMI (Associação Comercial e Empresarial de São Miguel do Iguaçu), entidade que representa inúmeras empresas sãomiguelenses responsáveis por expressiva geração de empregos formais na cidade, é contrária ao lockdown decretado nesta sexta (26) pelo Governo do Estado em todo o Paraná.

Os empresários não podem pagar pela irresponsabilidade de parte da população que insiste em ignorar as medidas de prevenção. O setor produtivo vem trabalhando com responsabilidade e segurança e não é foco de contaminação.

Certamente o lockdown determinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior agravará ainda mais a crise econômica enfrentada pelas empresas.

Um novo lockdown vai gerar desemprego e reduzir a renda das famílias. Muitos empreendimentos vão falir, pois já se encontram em situação de fragilidade devido à lenta recuperação em virtude dos fechamentos anteriores. Muitas famílias serão obrigadas a ficar em casa sem ter recursos para necessidades básicas.

A ACISMI entende que o poder público poderia trabalhar com medidas restritivas que impeçam aglomerações, como a lei seca e o toque de recolher, intensificando a fiscalização para punir os infratores.

O trabalhador e o empresário não devem pagar a conta das aglomerações clandestinas – que, em sua grande maioria, ocorrem em horários alternativos aos do setor produtivo. Se existem donos de estabelecimentos comerciais e entidades que promovem aglomerações e contribuem para espalhar o vírus, que sejam também punidos. Esse ônus não deve cair sobre quem luta para preservar a vida e trabalhar com segurança.

É preciso ampliar a fiscalização, aumentar a quantidade de leitos hospitalares, intensificar a realização de testes e ter a certeza de que as pessoas infectadas cumpram a quarentena com a disciplina necessária.

A ACISMI lamenta profundamente as mortes provocadas pela pandemia e ressalta que o lockdown não é a saída mais viável, pois abala a economia e contribui pouco para o combate ao vírus. Em muitos casos, prejudica mais do que ajuda.

Imunizar a população é uma medida emergencial e deve ser tratada como prioridade. Cabe ao governo federal atuar com mais eficiência e agilidade para que a vacinação chegue o mais rapidamente possível a todos.

O setor produtivo precisa continuar em funcionamento, contribuindo para a nossa sociedade com a responsabilidade e seriedade de sempre.
Fonte: Assessoria

Autor do post