Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

Governo quer mudar Previdência a partir de 2027

  • 04/02/2016
  • Foto(s): Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Governo quer mudar Previdência a partir de 2027
A proposta de reforma da Previdência, em estudo no governo, deve começar a ter efeitos nas contas públicas a partir de 2027, no mínimo, segundo interlocutores. A ideia é não mexer na fórmula progressiva 85/95 (somando idade e tempo de contribuição para homens e mulheres), sancionada em novembro do ano passado pela presidente Dilma Rousseff. Por essa fórmula, a idade média para requerer o benefício integral, que hoje é de 55 anos (homem) e 52 anos (mulher), deverá atingir, em dez anos, 60 anos e 56 anos, respectivamente. A partir de 2018, a escala começa a subir a cada dois anos, até atingir 90/100 em dezembro de 2026.

A partir dessa data, o governo pretende exigir idade mínima (65 anos) para homens e mulheres que vierem a se aposentar porque a idade média ainda continuará baixa, pensando na sustentabilidade do regime de Previdência mais à frente, em 2050. A proposta deve unificar as aposentadorias por tempo de contribuição e por idade - um modelo considerado jabuticaba (só existe no Brasil).

Outro argumento para não mexer na fórmula 85/95 é a expectativa de ganhos no curto prazo com o adiamento dos pedidos de aposentadoria dos trabalhadores, a fim receber o benefício integral (sem as perdas do fator previdenciário, que considera a expectativa de sobrevida). Segundo estimativas do Ministério da Previdência, a economia é de R$ 17,5 bilhões de 2015 a 2018.

???As discussões vão iniciar a partir da fórmula 85/95???, disse uma fonte envolvida no debate.

A intenção do governo é ganhar o apoio das centrais sindicais. No próximo dia 18, o governo reúne o Fórum, criado pelo Executivo para discutir políticas previdenciárias e trabalhistas, para colher opiniões do Colegiado. Não deverá apresentar a proposta de reforma nas regras da aposentadoria, apenas números para mostrar que a Previdência caminha para insustentabilidade. O texto, a ser enviado ao Congresso ainda neste semestre, não será tímido, segundo interlocutores. Trará mudanças profundas, levando-se em conta que será preciso negociar com o Congresso Nacional e muita coisa se perde no meio desse processo.

A reforma valerá para o futuro, mas vai atingir quem já está no mercado, com exceção de quem está na boca da aposentadoria. Neste caso, será criada uma regra de transição para não afetar direitos adquiridos e expectativas de direitos.

O governo não pretende acabar com a vinculação entre o salário mínimo e os benefícios pagos pela Previdência. A política de reajuste do piso (inflação mais o crescimento da economia de dois anos anteriores) é um dos principais motivos da explosão do déficit da Previdência. A estimativa é que o rombo atinja R$ 130,8 bilhões em 2016. No ano passado ficou em R$ 85,8 bilhões.

A desvinculação é defendida por especialistas e encontra respaldo na equipe econômica, mas tem custo político elevado. Além disso, com a economia em retração, a medida não terá impacto significativo até 2018. Praticamente, os benefícios terão apenas a reposição da inflação, conforme prevê a Constituição.

???Não dá para ganhar todas as brigas. O fim da vinculação não traria qualquer benefício a este governo, sem grande impacto na Previdência???, disse uma fonte da equipe econômica.

Na avaliação do especialista em Previdência e pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Rogério Nagamine Costanzi, embora o país necessite de uma reforma da Previdência, com reflexos no curto prazo, do ponto de vista político faz sentido a manutenção da fórmula móvel 85/95. Ele destacou que uma idade mínima de 65 está em linha com as mudanças realizadas nos países da Europa, em que a idade mínima está entre 65 e 67 anos. ???A idade mínima está subindo em vários países da Europa. Ainda que o aumento da expectativa de sobrevida seja maior lá, aqui o quadro não é muito diferente, porque o país passa por um rápido processo de envelhecimento da população???, afirmou Constanzi.

Fonte: Gazeta do Povo

Envie sua Notícia, vídeo, foto
(45)9910-25533

Colunistas