Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

Projeto quer limitar em 30 minutos tempo de espera de consulta médica

  • 29/12/2015
  • Foto(s): Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Projeto quer limitar em 30 minutos tempo de espera de consulta médica
Um projeto de lei em trâmite na Câmara de Curitiba promete que o tempo máximo de espera para que pacientes sejam atendidos em qualquer estabelecimento de saúde público ou particular seja de 30 minutos. A proposta visa a reduzir umas das maiores queixas dos usuários, principalmente do sistema público de saúde, que é a demora no atendimento. Apesar da boa intenção, dificuldades do município com estrutura física e profissional podem inviabilizar a aplicação da lei.

Segundo o autor do projeto, vereador Mauro Ignacio (PSB), a demora em atendimentos, tanto em unidades básicas de saúde (postos de saúde) quanto nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), tem se tornado ???regra???. ???Por isso, é preciso medidas para que o tempo de espera e para a realização de exames não seja tão longo. Isso também vale para consultórios particulares???, ressalta. Com o projeto já aprovado pela Comissão de Saúde, o tema deve ser alvo de debates entre os vereadores no ano que vem.

???A reclamação pelo tempo de espera é rotineira. Inclusive, houve registros de óbitos em algumas unidades públicas de saúde, como a que aconteceu na UPA Fazendinha em junho deste ano???, ressalta Ignacio. No fim de junho, Maria da Luz das Chagas dos Santos, de 38 anos, teve um aneurisma cerebral e morreu depois de esperar cerca de quatro horas por atendimento.

O texto estipula em 30 minutos o período máximo de espera para consultas ambulatoriais e em clínicas médicas e para os casos de agendamento e realização de exames em laboratórios públicos e particulares. Além disso, concede prazo máximo de três horas para internação a partir do surgimento da necessidade e internação imediata quando já existir diagnóstico médico neste sentido.

A iniciativa prevê ainda a emissão de senhas contendo o nome do estabelecimento e a data e o horário de chegada do usuário do serviço. A proposta também estabelece sanções que vão da advertência escrita ao cancelamento de alvará do estabelecimento.

Antes de a proposta ir à discussão em plenário, há a possibilidade de que seja realizada uma audiência pública sobre o assunto. O vereador assume que possam existir dificuldades para que a lei seja cumprida. ???Não queremos impor nada. Só queremos uma medida legal para que o usuário seja atendido de forma mais rápida. Uma discussão sobre o assunto pode ajudar a encontrar um caminho para isso???, afirma.

Utopia

Membro do Conselho Municipal de Saúde, João Carlos Santana considera que o projeto de lei é um ???sonho de consumo???. ???No cenário atual mostra-se utópico. Para que esse tempo fosse cumprido precisaria de muito investimento em mais profissionais e estabelecimentos de saúde. O que, sendo realista, está difícil de acontecer???, afirma.

Santana ainda ressalta que para a formulação de um projeto de lei como esse é preciso que todas as partes sejam ouvidas. ????? preciso ouvir a gente, que representa os usuários, e o gestor. A ideia não é fazer apenas mais uma lei que não tenha efetividade. ?? preciso ponderar, discutir e formular um tempo que possa ser mais factível???, ressalta.

Outro projeto

Um outro projeto, do vereador Professor Galdino (PSDB), está em análise nas comissões e dispõe sobre a obrigatoriedade de os hospitais privados colocarem à disposição dos usuários número suficiente de profissionais para que o atendimento ocorra em tempo razoável.

Para Secretaria de Saúde, projeto não é plausível

Na avaliação do superintendente de Gestão da Atenção à Saúde da Secretaria de Saúde de Curitiba, David Claret Bueno, o tempo máximo de 30 minutos na rede pública é muito difícil de ser cumprido. Bueno afirma que há uma variabilidade muito grande de uma consulta para a outra ??? principalmente nas unidades básicas de saúde ??? e um grande fluxo de pacientes. Essas questões tendem a interferir no tempo de espera dos pacientes.

???Tem consulta que pode durar 10, 15 minutos e outra que demora mais. Isso faz com que o próximo paciente fique esperando mais de 30 minutos. Além disso, o alto fluxo de pacientes pode inviabilizar que esse prazo seja cumprido???, diz Bueno.

Ele também relata que há projetos para tentar otimizar o atendimento médico. ???Temos que aproveitar melhor a capacidade instalada, com mais profissionais onde há mais demanda???, diz.

Nos casos das UPAs, ele afirma que a orientação é seguir o chamado Protocolo de Manchester, que estimula prazos de atendimento conforme a gravidade dos pacientes. Nos casos de emergência, o atendimento deve ser imediato; nos de extrema urgência, em até 10 minutos; e nos de urgência, em até uma hora. Os casos mais brandos variam de 120 a 240 minutos. ???Para que o fluxo seja mais rápido nas UPAs, os pacientes desses últimos casos são orientados a irem aos postos de saúde???, afirma.

Fonte: Gazeta do Povo

Envie sua Notícia, vídeo, foto
(45)99102-5533

Colunistas