Ouça ao vivo
Rádio Costa Oeste 106,5 FM

106,5 FM

Rádio Costa Oeste

Rádio Independência 92,7 FM

92,7 FM

Rádio Independência

Rádio Cultura 820 AM

820 AM

Rádio Cultura

Rádio Terra das Águas 93,3 FM

93,3 FM

Rádio Terra das Águas

Rádio Guaíra 89,7 FM

89,7 FM

Rádio Guaíra

Depois de “tirar água de pedra”, Sanepar faz chover na Região Metropolitana de Curitiba

Metodologia é feita no espaço aéreo com semeadura de nuvens com água potável para a indução de chuvas.

Depois de “tirar água de pedra”, Sanepar faz chover na Região Metropolitana de Curitiba

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) está literalmente fazendo chover nas bacias hidrográficas de contribuição das barragens do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC). A Companhia contratou serviços aéreos especializados de indução de chuvas localizadas com semeadura de nuvens na região do SAIC.

A iniciativa faz parte do conjunto de ações para mitigar o efeito da crise hídrica e que já reúne mais de 20 intervenções, entre elas a busca de água em pedreiras, que chegou a ser chamada como “ação para tirar água de pedra”.

Os trabalhos estão sendo feitos pela empresa Modclima Serviços Aéreos Especializados, Pesquisa e Desenvolvimento Ltda., que já realizou os mesmos serviços para outras companhias de saneamento, como a Sabesp (SP) e a Copasa (MG), e também pelo setor agrícola, nas regiões de Toledo e Cianorte, em outros estados brasileiros e até no Gabão, na África.

A primeira chuva induzida ocorreu em 9 de dezembro sobre a Bacia do Passaúna. O processo, chamado de semeadura de nuvens, provocou até o momento 12 chuvas. A semeadura é feita por um avião que, ao sobrevoar uma nuvem promissora, faz a pulverização de gotículas de água potável de diâmetro controlado. Essas gotículas se somam às gotas já existentes dentro da nuvem, que ganham massa e se precipitam em forma de chuva, no local de interesse.

O processo faz parte de um projeto de pesquisa e inovação da Sanepar que será desenvolvido até maio deste ano em Curitiba e Região Metropolitana e inclui o monitoramento e a quantificação das precipitações. A partir dos resultados finais, a Sanepar terá condições de definir se é um método viável para ser replicado em situações semelhantes de crise hídrica e em outras regiões do Estado.


Fonte: Assessoria Sanepar

Autor do post